Nossa Senhora do Rosário de Fátima
Nossa Padroeira

“Não há no mundo ninguém que não precise de uma mãe. Até o Filho de Deus teve os carinhos de uma mãe” (Anjos de Resgate).

Conosco não seria diferente. Temos uma mãe que durante 18 anos cuidou de nós, nos gerou, alimentou, educou, nos fez crescer em sabedoria e estatura nos ajudou a permanecermos firmes no sonho que já estava no coração de Deus.

Assim como Maria, assim como a Aurora, queremos ser fiéis, obedientes,humildes e cumpridores do seu pedido em Fátima: devotos do Santo Terço.

É através do sim dela, que hoje o nosso sim é dado e renovado a cada dia. Consagramos a Ti, querida mãe, nossa vida, nossa Comunidade, nossas vocações.

Santo Elias

“Oh Senhor Deus de Abraão, de Isaac e de Israel, meu Deus. Saibam todos hoje, que sois o Deus de Israel e desta comunidade, que sou Teu servo, e que por Vossa ordem fiz e continuarei fazendo todas estas coisas. Responde-me, Senhor, para que todo o povo reconheça que só Vós sois Deus e que sois Vós que converteis todos os corações” (Oração Comunitária baseada em 1 Rs 18,36-37).

Humildade, determinação, intrepidez e ousadia são características de Santo Elias, nosso primeiro baluarte e grande amigo.

Elias é o profeta mais conhecido do Antigo Testamento, sua história é narrada nos livros de I Reis (capítulos 17 a 22) e II Reis (capítulos 1 e 2). É defensor da Aliança com Deus e vem selar em nossa Comunidade tal Aliança.

Elias é profeta do fogo, impulsionando-nos a sermos fogo de Deus na terra, a levarmos o nome de Deus a todas as pessoas e lugares, sem nada temer. Para nós, Elias é sinal de plena confiança em Deus e, mesmo nos momentos de tribulação, a confiança só é construída com muita intimidade e fé.

Que o nosso SIM seja verdadeiramente SIM, lutando até as últimas consequências por nossa Aliança.

São Paulo

“Tornei-me tudo para todos, a fim de salvar alguns, a todo custo” (1Cor 9,22).

Este é o lema que move a nossa Comunidade e que está na carta de São Paulo aos Coríntios, como um relato do próprio apóstolo.

Paulo não hesitou em ir onde o Senhor o enviava, fundando novas missões por todo o mundo e unindo cada uma delas. E, assim, o Senhor fez conosco.

Além disso, Paulo vem nos impulsionar a irmos até onde existe alguém necessitado da Palavra, a levar o Evangelho a toda criatura e a fazer o que for
necessário para que este Evangelho chegue aos confins da Terra.

Por Paulo, entendemos a justificação de nossos pecados, por meio da nossa fé em Jesus crucificado e ressuscitado, nosso salvador. Aprendamos com ele: Ter Jesus no centro das nossas vidas e sermos anunciadores da boa-nova.

Santa Luzia

“Adoro a um só Deus verdadeiro e a Ele prometi amor e fidelidade!”

Luzia, uma das santas mais populares do Brasil, nasceu em Siracusa, vilarejo Italiano da região da Sicília. Filha de pais ricos e cristãos, a jovem teve ótima criação católica. Quando jovem, decidiu ser inteiramente de Deus e fez o voto de viver o Celibato. Sua entrega foi tamanha e realizada com tanta convicção, que nem a ameaça de estupro coletivo e nem a morte a fizeram negar a Cristo.

No dia 13 de dezembro de 304 d.C. Luzia foi decapitada ao terminar de dizer as seguintes palavras: “Adoro a um só Deus verdadeiro, a quem prometi amor e fidelidade”.

A sua fama de santa se espalhou por toda a Itália e depois para todo o mundo. São inúmeras igrejas e capelas em sua homenagem. Hoje, podemos encontrar seu corpo intacto na igreja de São Jeremias, em Veneza.

Luzia, em nosso carisma, é modelo de castidade e de luta contra a soberba, como ela desejamos ser fieis e resistirmos a tudo e a todos que desejam nos afastar do Cristo e destruir nossa pureza.

“Quem vive casta e santamente, é templo do Espírito Santo, sem a minha vontade, a virtude nada sofrerá” (Santa Luzia).

Santa Faustina

“Fazei de mim, Jesus, um sacrifício agradável e puro ao olhar de Vosso Pai. Jesus, transformai-me a mim, miserável pecadora, em Vós, pois Vós tudo podeis, e entregai-me ao Vosso Eterno Pai. Desejo tornar-me uma hóstia de expiação diante de Vós” (Diário, no. 483).

Apóstola da misericórdia, foi como ficou conhecida nossa amada Santa Faustina. Última baluarte que reconhecemos, primeira que nos escolheu. Ela é portadora de traços marcantes de nosso carisma.

Desde o início de nossa vida ministerial, ela nos acompanhava e nos envolvia com o amor entranhável, de um Deus que nos ama até às últimas consequências, e que nos aceita de volta sempre.

Muito cedo, a Santa polonesa já dava sinais de sua vocação de entrega total ao Cristo, o Amado de sua alma. Não deu outra, ela comunicou ao mundo com sua vida contemplativa, a extensão infinita da Misericórdia Divina. Faustina nos ensina a silenciar e a obedecer, ainda que isso contrarie nossa razão, nossa emoção e até mesmo a nossa vontade. Através dela, mergulhamos com maior profundidade nos mistérios da Paixão e morte de nosso Senhor Jesus Cristo.

Que um dia possamos, como ela, dizer, “meu nome é vítima”, unindo nossos sofrimentos ao sacrifício de Jesus, e experimentarmos o sabor doce de sua voz a nos dizer:

““FICA SABENDO, MINHA FILHA, QUE O TEU SILENCIOSO MARTÍRIO DE TODOS OS DIAS, NA TOTAL SUBMISSÃO À MINHA VONTADE, LEVA MUITAS ALMAS AO CÉU” (Diário No 1184).