-Por Márcio Oliva

Cristo Ressuscitou! Aleluia!

 

Irmãos, acabamos de viver a semana mais importante da nossa fé crista e doutrina católica. Nela se encontra o ápice de nossa fé crista: A ressurreição de Cristo!

 

Neste domingo de páscoa, é dia de festejarmos e glorificarmos por tudo aquilo que Deus fez e faz em nossas vidas, pela remissão dos nossos pecados e pela esperança de salvação que Cristo nos traz.

 

Mas cuidado para não mudarmos o foco da festa deste dia, com o Coelhinho e seus chocolates. Como canta meu filho em uma das musiquinhas que aprendeu no colégio:

 

“ Não foi o coelhinho que morreu na cruz
Quem foi crucificado foi o meu Jesus
Na sexta Ele morreu, mas morto não ficou
Domingo de manhã Ele ressuscitou! ”

 

Jesus Cristo é, e deve continuar sendo o centro deste e de todos os dias da nossa vida.

 

A nossa Santa Igreja Católica, nos ajuda neste tempo pascal e relembrarmos disto com sua liturgia riquíssima de espiritualidade e detalhes, para podermos experimentar e vivenciar esta grande graça.

 

Aproveito para trazer abaixo 7 perguntas e respostas sobre nossa fé, alicerçada no Catecismo da Igreja Católica, para refletirmos sobre este mistério de Morte e Ressurreição do nosso Senhor Jesus:

 

Jesus teve realmente medo da morte, no monte das Oliveiras, na noite antes da Sua morte?

Porque Jesus foi verdadeiramente homem, Ele sentiu, no monte das Oliveiras, um medo de morte verdadeiramente humano. [CIC 612]

Jesus teve de lutar, com as mesmas forças humanas que todos nós possuímos, para aceitar interiormente a vontade do Pai, segundo a qual devia dar a Sua Vida pela Vida do mundo. Na Sua hora mais dura, abandonado por todo o mundo, até pelos Seus amigos, Jesus venceu-Se a Si mesmo e disse “sim”: «Meu Pai, se este cálice não pode passar sem que Eu o beba, faça-se a Tua vontade! » (Mt 26,42)

PAIXÃO (lat. passio = doença, sofrimento) – É designação utilizada para o sofrimento de Cristo

 

Porque teve Jesus de nos redimir justamente na cruz?

A cruz na qual Jesus, inocente, foi cruelmente executado é o lugar do mais extremo rebaixamento e abandono. Cristo, o nosso Redentor, escolheu a cruz para carregar a culpa do mundo e suportar o sofrimento do mundo. Assim, pelo Seu perfeito amor, Ele reconduziu o mundo à casa de Deus. [CIC 613-617, 622-623]

Deus não nos podia ter demonstrado o Seu amor de forma mais eficaz que Se deixar pregar na cruz na pessoa do Seu Filho. A cruz era a forma de execução mais vergonhosa e severa da Antiguidade; a título de exemplo, os cidadãos romanos, independentemente da gravidade da culpa, nunca deviam ser crucificados. Portanto, Deus entrou no sofrimento mais abissal da humanidade; desde então, ninguém mais pode dizer: «Deus não sabe o que sofro.

Deus estende as Suas mãos na cruz para abraçar os mais extremos confins do Universo. São Cirilo de Jerusalém (313-386/387, doutor da Igreja)

 

Como podemos também nós assumir o sofrimento da nossa vida, tomando “A cruz sobre nós” e seguir Jesus?

Os cristãos não devem procurar o sofrimento. Se, porém, são confrontados com um sofrimento inevitável, ele pode ganhar um sentido para eles, caso unam o seu sofrimento ao de Cristo. “Cristo sofreu também por vós, deixando-vos o exemplo, para que sigais os Seus passos.”(1Pd 2,31) [CICI 618].”

Jesus disse: “Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me!” (Mc 8,34). Os cristãos têm a missão de mitigar o sofrimento no mundo. Porém, ele continuará a existir. Na fé, podemos assumir o nosso sofrimento e partilhar o do próximo. Desta forma, o sofrimento humano unir-se-á com o amor redentor de Cristo, transformando-se, assim, em parte da força divina que tornará o mundo melhor.”

 

Pode alguém ser cristão sem crer na ressurreição?

Não. “Se Cristo não ressuscitou, então a nossa pregação é inútil e também é inútil a vossa fé.” (1Cor 15,14) [CIC 631,638,651].

Cristo é o centro e todo o objetivo de nossa existência terrena e, também, da nossa eternidade. Sem Cristo nada somos e nada seremos. A ressurreição está no centro da fé cristã. O objetivo da fé cristã é a vida plena; é ressurgir para a glória eterna junto de Deus.

105 – Como chegaram os discípulos à fé na ressurreição de Jesus?

Os discípulos, que antes tinham perdido a esperança, chegaram à fé na ressurreição de Jesus porque, de diferentes formas, O viram após a Sua morte e falaram com Ele. Tiveram, portanto, a experiência de que Ele estava vivo. [CIC 641-644, 656].

Os acontecimentos pascais que tiveram lugar em Jerusalém por volta do ano 30 não são uma história inventada. Impressionados pela morte de Jesus e pela derrota da sua causa comum (“Nós esperávamos que fosse Ele quem havia de libertar Israel”, Lc 24,21), os discípulos fugiram ou barricaram-se atrás de portas trancadas. Só o encontro com Cristo ressuscitado os libertou do seu entorpecimento e os encheu com o Espírito e com a fé de que Jesus Cristo é o Senhor da vida e da morte.

Por que cremos na ressureição dos mortos?

Cremos na ressurreição dos mortos porque Cristo ressuscitou dos mortos, vive para sempre e faz-nos participantes desta vida eterna. [CIC 988-991]

Quando uma pessoa morre, o seu corpo é sepultado ou cremado. Contudo, cremos que existe, para essa pessoa, uma vida depois da morte. Jesus revelou-Se, na Sua ressurreição, como Senhor da morte; a Sua Palavra é fidelidade: “Eu sou a Ressurreição e a Vida. Quem acredita em Mim, ainda que tenha morrido, viverá.” (Jo 11,25) [CIC 103-106]

 

O que mudou no mundo com a ressurreição?

Agora, que a morte já não é mais o fim de tudo, veio ao mundo a alegria e a esperança. Depois de a morte deixar de ter poder sobre Jesus (Rm 6,9), também já não tem poder sobre nós, que pertencemos a Jesus. [CIC 655, 658]

 

Fonte: YOUCAT (100, 101, 102, 104,105, 108 e 152)

 

Que o Cristo ressuscitado e libertador te ajuda a viver esta nova vida

Paz e Fogo!