Por Leticia Oliva

 

A Paz do Cristo Libertador à todos!

Estamos às vésperas do Natal, data festiva, de grande significado, própria para reunir a família, fazer amigo secreto, presentear aqueles e aquelas que tanto amamos. Não é verdade? Pois bem, se tratando de presentes, às lojas no final de ano se esbanjam com pais fascinantes pelos seus filhos tão desejosos por brinquedos, jogos, roupas, celulares, marcas… E é por isso que hoje, de forma especial, trago uma reflexão fantástica do livro Pais Brilhantes, Professores Fascinantes de Augusto Cury:

“BONS PAIS DÃO PRESENTES, PAIS BRILHANTES DÃO SEU PRÓPRIO SER

Este hábito dos pais brilhantes contribui para desenvolverem seus filhos: auto estima, proteção da emoção, capacidade de trabalhar perdas e frustrações, de filtrar estímulos estressantes, de dialogar, de ouvir.

Bons pais atendem, dentro da suas condições, os desejos do seus filhos. Fazem festas de aniversário, compra um tênis, roupas, produtos eletrônicos, proporcionam viagens. Paz brilhantes dão algo incomparavelmente mais valioso aos filhos. Algo que todo dinheiro do mundo não pode comprar: o seu ser, a sua história, as suas experiências, as suas lágrimas, o seu tempo.

Pais brilhantes, quando tem condições, dão presentes materiais para seus filhos, mas não os estimulam a ser consumistas, pois sabem que o consumismo pode esmagar a estabilidade emocional, gerar tensão e prazeres superficiais. Os pais que vivem em função de dar presentes para seus filhos são lembrados por um momento. Os pais que preocupam em dar a sua história aos seus filhos se tornam inesquecíveis.

Você quer ser um pai uma mãe brilhante? Tenha coragem de falar sobre os dias mais tristes da sua vida com seus filhos. Tem a ousadia de contar sobre suas dificuldades do passado. Fale da suas aventuras, do seu sonhos e dos momentos alegres de sua existência. Transforme a relação com seus filhos numa aventura. Tenha consciência de que educar e penetrar UM NO MUNDO DO OUTRO.”

Fica aqui a dica para refletirmos então: como estão nossas relações de forma geral? E com os filhos? Esposa e marido? Parentes e amigos? E, acima de tudo e de todos, COMO ESTÁ SUA RELAÇÃO COM DEUS? A minha eu digo, bem falha, mas desejosa por ser cada dia mais amiga íntima d’Ele que é A ÚNICA VERDADE, O CAMINHO E A VIDA.

Que este natal não seja mais uma data de comemoração com bebedeira e comilança, simples passagem da meia-noite do dia 24 de dezembro com razos votos de FELIZ NATAL, algo superficial, desejar por desejar… Mas que o menino Jesus que já nasceu e está dentro de nós, nos desperte para um avivamento e comemoração pelo bem mais preciso que Deus nos deu: o dom da VIDA! E com ela saibamos partilhar dos momentos imprescindíveis ocorridos, montando relações espetaculares com valiosos sinais, partilhando de todos os momentos sejam bons ou ruins, alegres ou tristes. E assim, possamos nos deparar no fim da vida terrena com uma história rica de verdadeira convivência e relações com os nossos, sem autopreservação, e no mais belo de todo o caminhar, consigamos contemplar a face d’Aquele que mais nos ama e que quer, sem dúvida, que sejamos o mais íntimo com Ele, é o nosso primeiro amigo, sem reserva e sem ser secreto!

Um FELIZ NATAL recheado de amor do nosso AMADO. E basta!

“Buscai, em primeiro lugar, seu Reino e sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.” (Mt 6, 33)