-por Letícia Oliva
No último domingo comemoramos um dia demais de especial para nossa Santa Igreja Católica, o dia do Natal, onde comemoramos o nascimento do nosso SALVADOR, isto é, aquele que veio ao mundo para redimir os pecados e salvar a humanidade.
Jesus nasceu em Belém, em uma gruta simples, com uma manjedoura de palha, animais por perto, com a presença de Maria e José, e mais pouquíssimas pessoas, pouquíssimas mesmo.
E ao ver esse cenário, me veio uma pergunta: quando se é possível ter uma jóia, uma pedra preciosa, qual ação ou atitude primeira que qualquer ser humano tem?
Logo me veio uma resposta: guardar em um lugar seguro, cofre, com “7 chaves”, onde ninguém possa ter acesso, se possível nem saber que existe…
Durante os primeiros anos de vida de Jesus, Maria e José precisou sair de Belém às pressas e se esconder no Egito, para que Herodes não o achasse, pois sabendo do nascimento do Mestre queria matá-lo a todo custo. E, sendo Herodes, enganado por um dos magos, ele resolveu matar todos os meninos abaixo de dois anos na região, na tentativa de garantir que Jesus estaria nesse meio.
Nos dias de hoje, não é diferente, quantos Herodes nos perseguem tentando matar, roubar, destruir o tesouro que temos em nossa vida? Quantos vezes precisamos fugir para o Egito para não cairmos na tentação, e seduzidos, deixarmos nossa raridade ser destruída? Nossa essência ser deformada cada vez mais?
Jesus é nosso Tesouro, Ele já pagou o preço por nossas vidas. E nós, quanto estamos dispostos a pagar por Ele? A fugir para que Ele permaneça vivo em nós? Qual o preço do nosso tesouro que é o centro da nossa vida? 
Difícil saber o preço desse tesouro,
Se: 1) nem conseguimos segurar Ele com nossos próprios braços! 
Se: 2) imploramos por afeto sem harmonia!
Se: 3) não vivemos a misericórdia como o Pai!
Se: 4) ao invés de nos reconciliarmos com o Senhor, reconhecendo nossas falhas, e que sem Ele nada somos, esperamos sempre méritos e reconhecimentos próprios!
Se: 5) inúmeras podem ser as menções de atitudes e ações que nos afastam de Deus, quando se cumpríssemos APENAS 10 mandamentos poderíamos SER TOTALMENTE diferentes do que somos hoje e mais semelhantes com a imagem e semelhança a qual fomos criados!
Enfim, o que nos falta para começarmos um Novo Ano com um propósito de assumirmos de fato o tesouro que temos no centro de nossa vida, afim de pagarmos o preço que Ele, verdadeiramente, vale?
Ele não nos cobra e nunca nos cobrará isso, porque Ele é livre. E sendo livre, nos permite sermos livres para, simplesmente, amar com compaixão, mansidão, obediência, misericórdia, simplicidade, COM A VERDADE e pureza, que brota do seu humilde coração. 
Que 2016 sirva de aprendizado para sermos ainda melhores em 2017, para sermos a verdadeira criatura de Deus, luz de Cristo caminhando entre um povo sedento e sonhado pelo Pai! 
Na esperança de um pronunciarmos como Paulo, em sua carta aos Gálatas 2, 20:
“Assim, já não sou eu quem vive,  mas Cristo vive em mim!”
Feliz e abençoado Ano Novo!