Por Letícia Oliva

A Paz do Cristo Libertador!

Caros leitores,

O que dizer do carisma Cristo Libertador…

Cabe a todos conhecer e viver a Verdade que Liberta, fundamentada na palavra de Deus. E, pela força do Espírito Santo, com autoridade, SER SINAL, ou melhor, fonte da libertação ao outro.

Quando abrimos nosso coração à Verdade que Liberta, à ação libertadora de Jesus, é a transformação que ocorre nos libertando da pior cegueira de todas as escravidões: a de quem não quer enxergar no outro a presença de Jesus!

No silêncio interior tenho encontrado em mim verdades que, configuradas à Verdade do Cristo, me levam à liberdade de viver com responsabilidade a minha vocação: dar a vida por aqueles que o Senhor a mim confiou! De forma certa ou errada? Talvez mais errada do que certa, principalmente quando me fecho ao meu eu e não viabilizo o encontro com o outro.

Quero paciência comigo, mas não permito que toquem meu coração.
Quero atenção para mim, mas não volto meus olhos ao meu redor.
Quero meu lugar, mas não levanto para o outro se sentar.
Quero palavras, mas não abro a boca para testemunhar.
Quero guardar, mas não partilhar.
Quero tudo, mas não cedo nada.
Quero de graça, mas não dou gratuitamente.

QUERO TER TUDO, MAS RELUTO A SER NO TUDO… 

 

Temos como missão libertadora, devolver a vida e a liberdade aos oprimidos pela sociedade que faz de tudo: mente, engana, oferece idolatrias, culto ao dinheiro, desunião, traição, sexualidade desregrada, prostituição, vícios, drogas, corrupção, assassinato… para abafar o seu e o meu grito de desespero, quando só queremos AMOR.

Isso acontece porque não estamos buscando a única e verdadeira fonte de Amor, a fonte da vida que é Jesus; ser um com o Sagrado, configurando-se à Sua pessoa, com um ato de entrega total e sem reservas de nossa vida ao Senhor, para transformação radical de nosso ser e assim ser testemunho de vida na sociedade aflita.

Tudo começou pelo sim de Maria. Ela entregou integralmente sua vida a Deus, se consagrou, foi uma com o Sagrado, pelo ventre que gerou Aquele que, “entrou em dia de sábado na sinagoga da cidade de Nazaré e leu o que estava na escritura do profeta Isaías: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me CONSAGROU pela unção…” (Lc 4, 16-18), ou seja, Jesus começou a partir dali a cumprir seu ministério, disposto a dar a vida por aqueles que Deus Pai lhe confiara.

Como está a nossa disposição em dar a vida por aqueles que nos são confiados? Como estou devolvendo a vida e sendo fonte de libertação ao outro? O primeiro e grande ponto é: estou enxergando Jesus no meu irmão que é cheio de defeitos, pecador como eu, mas que também cego e oprimido busca respostas em fontes ilusórias, utópicas?

Que a mudança comece em mim com a determinação de me dispor ao novo destino já traçado por Cristo em nome de Deus, pelo amor do Espírito Santo, nascido do ventre da Virgem Maria e que se faz presente no meu irmão e na vida tão concreta dos profetas e santos de nossa Igreja.

Santo Elias, São Paulo, Santa Luzia, Santa Faustina, São Francisco de Assis… Este último, um jovem rico, filho único, que se dispôs a deixar tudo, toda a riqueza material, para atender ao Cristo na reconstrução da Sua Igreja; de forma humilde e pobre, com toda a sua verdade e de livre responsabilidade, por vezes errando, não desistindo da busca da santidade e de ser sinal claro e transparente do Deus Vivo, que deseja um relacionamento profundo, sem superficialidade. Relacionamento decidido e concreto…

Que continuemos a história do Cristo que vive e reina em você que senta ao meu lado e divide sua vida comigo por um Reino maravilhoso.

Fogo de Elias