Era presépio, não era presepada!
Era presépio, não era presepada
Era promessa, não era acaso
Era vida, não era personagem
Era real, não era imaginário
Era passado, É presente, É futuro… É ETERNO!
“Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel” (Is 7,14)
A promessa foi deixada, mas aonde ela se daria? Ninguém sabia! Através de um SIM foi concedido, mas no caminho para dar à luz se deparou com diversos NÃOs. Mas foi chegada a hora e ali, em um simples e humilde estábulo, se fez e se CUMPRIU a chegada do Rei.
O nascimento do menino Jesus naquele estábulo, ao lado de seus pais, tendo por testemunhas os pastores e os animais; e recebendo a visita dos Reis Magos guiados por uma estrela de Belém, nos revela a grandeza de Deus representada na fragilidade de uma criança.
Era presépio, não era presepada!
Era humildade, não era vaidade
Era obediência, não era teimosia
Era humanidade e divindade, não era barbaridade
Era natural e sobrenatural, não era banal

Era o Rei e se fez carpinteiro pra mostrar para o mundo inteiro o lugar que conquistaremos.

“Sendo Ele de condição divina, não Se prevaleceu de Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens” (Filipenses 2, 6-7).
Agora onde Ele está? Não há lugar mais alto!
E nós, temos gerado todos os dias o menino Jesus em um presépio ou feito dele uma presepada?
Fiquem na paz do Cristo Libertador!
Natalia Maggio – Discípula e Formadora