• Por – Natália Maggio

Há duas semanas atras estávamos vivendo a paixão, morte e ressurreição do nosso Senhor Jesus Cristo, pudemos viver a imensa misericórdia que Jesus manifestou por nós na Cruz. Realizou, confiou e cumpriu a vontade de Nosso Pai, para que nossos pecados fossem lavados pelo Teu sangue. Sendo assim, naquele momento Ele já nos perdoou, as nossa faltas, misérias, traições, negações, fracassos… quer um exemplo de MISERICÓRDIA maior que essa.

Misericórdia requer CONFIANÇA Naquele que está o tempo todo a nos consolar, a nos acolher, a nos perdoar, a nos conduzir a um caminho seguro dando-Se todo por nós.

No segundo domingo pós Páscoa, nossa Igreja celebra a Divina Misericórdia.

Bem-aventurado Papa João Paulo II beatificou e canonizou, no ano 2000, sua conterrânea Santa Faustina Kowalska, uma santa religiosa que recebeu visões e revelações de Nosso Senhor a respeito da Divina Misericórdia. Em seu famoso diário, Santa Faustina relata o momento em que Jesus lhe pediu a instituição da festa da Sua Misericórdia:

“A Minha imagem já está na tua alma. Eu desejo que haja a Festa da Misericórdia. Quero que essa Imagem, que pintarás com o pincel, seja benzida solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa, e esse domingo deve ser a Festa da Misericórdia.” (Diário 49)

Atendendo ao apelo do próprio Jesus pelas palavras de Santa Faustina, João Paulo II estabeleceu o segundo domingo da Páscoa – tradicionalmente conhecido como Dominica in Albis – como a festa da Divina Misericórdia.

Aproveitemos essa oportunidade que temos diariamente de nos mergulharmos na Misericórdia de Deus, pois este é um desejo e uma promessa de nosso Senhor para esta grande festa: “Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Nesse dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximarem da fonte da Minha misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e das penas. Nesse dia, estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais fluem as graças. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de mim, ainda que seus pecados sejam como o escarlate. (…)A humanidade não terá paz enquanto não se voltar à fonte da Minha misericórdia (Diário, 699).

Jesus fonte Divina de Misericórdia para nós. Eu confio em vós!

Fiquem na Paz do Cristo Libertador