• Por Laís Cardoso

 

Tiago era irmão de João, filho de Zebedeu e pertencia ao grupo dos apóstolos mais próximos de Jesus, junto com Pedro e João. Ele esteve presente em vários acontecimentos importantes da vida de Cristo, como a cura da sogra de Pedro, a ressurreição da filha de Jairo, a transfiguração do Senhor e a sua agonia no horto das Oliveiras. Em todas as listas dos apóstolos aparece entre os três primeiros, ficando evidente a sua importância nas primeiras comunidades cristãs.
Não há nenhuma dúvida de que ocupou um lugar de liderança no grupo dos doze, sendo considerado por São Paulo uma das colunas da Igreja (Gl 2,9). Ele o considerava um dos grandes na Igreja primitiva. O curioso é que apesar de São Tiago ocupar um lugar tão importante entre os doze, pouco se sabe sobre ele.
Na maioria das vezes aparece junto ao seu irmão João. Sabe-se que era pescador e que Jesus o chamou a ser pescador de homens, onde prontamente deixou tudo e o seguiu (Lc 5, 1-11). Era um galileu tipicamente impulsivo e tempestivo, o que fez com que junto a seu irmão João fosse apelidado de Boanerges, “Filho do Trovão” (Mc 3,17). Também desejava ocupar um grande posto no Reino de Cristo (Mc 10, 35-45; Mt 20, 20-28). A única vez em que aparece separado de João é no momento de seu martírio (At 12, 1-2). Tiago morreu pela espada, a mando do rei Herodes.

Parando para pensar em todas essas informações, curioso pensar que São Tiago estava na lista entre os três primeiros apóstolos, sendo assim, mostrando claramente sua importância, ocupando um  lugar de liderança, sendo considerado uma das colunas da Igreja e em meio a tudo isso, não se ter tantas informações sobre ele.

Isso nos faz pensar inúmeras coisas e nos faz buscar inúmeros porquês, mas parando para analisar os fatos, será que não se tem tantos relatos por Cristo ser o único foco dele? Foco esse que não importava se as pessoas soubessem quem era Tiago, mas sim quem era Jesus e o que Ele fez em sua vida e poderia e pode fazer na sua e nas nossas vidas. São muitas interpretações, mas pensando nessa interpretação, como está nossos atos? Fazemos as coisas por amor ou para ser mais uma “estrelinhas”? Cristo tem sido nosso foco, ou quem tem ganhado holofotes somos nós? Temos  levado ou até mesmo pregado a nossa verdade ou a única verdade que é Cristo?

Para caminhar com Deus, não é necessário holofotes, palmas ou prestígio, Deus é simples. É preciso pregar e levar a única verdade, mesmo que a verdade seja algo que as pessoas não queiram ouvir ou dizer, é preciso ser imagem e semelhança de Deus e para isso irmão, não é necessário palmas, muito menos holofotes, é necessário que a vontade de Deus seja feita, independente do que irão dizer depois, Cristo é o centro e se for necessário, que as pessoas não te conheçam, amém, mas que elas conheçam a Deus.

Deus te abençoe!!