“As palavras convencem, porém, os testemunhos arrastam.”

Bruna Barbosa Hamrourch,
Discípula da Comunidade de Aliança Cristo Libertador e Coordenadora de Retiros.

Desde pequena tive contato com a Igreja. Com 9 anos entrei para a catequese, fiz primeira comunhão e adorava ir à missa, mesmo ainda muito pequena, sempre ouvia uma voz me dizendo que eu deveria buscar algo e que esse algo estava dentro de mim.

Depois da catequese, entrei para um grupo chamado “Mini jovens”, quando vivi uma experiência legal, de muita alegria e com uma grande amizade entre todos. Com 12 anos, meus pais se separaram e as dificuldades financeiras e familiares me forçaram a um amadurecimento rápido.

Com 15 anos, ainda participando desse grupo fiz meu primeiro retiro Querigmático, com coordenação do então Ministério Cristo Libertador. Esse retiro avivou o amor de Deus em mim e trouxe ainda mais forte a voz de Deus para eu dar um passo a mais para ser aquilo que Deus queria de mim.

Com alguns problemas financeiros e vendo minha mãe tendo que trabalhar mais de 12 horas por dia para sustentar eu e minhas duas irmãs, comecei então a criar uma visão da vida um tanto simplificada: passei a pensar que o objetivo principal da minha vida era ter uma família, ser profissionalmente bem sucedida, ganhar dinheiro e….só.

Então, tendo essa visão simplista, comecei a me afastar da Igreja e de Deus, em busca de relacionamentos e de me realizar profissionalmente.

Aos 20 anos, já namorava há 4 e estava há um bom tempo sem me relacionar de forma sincera com Deus e sem buscar Sua vontade. O orgulho, a vaidade, a inveja e a prepotência se enraizaram no meu coração, sufocando a voz tão linda que existia dentro de mim. Nessa época, já estava quase concluindo minha graduação e imaginava que o caminho da minha vida seguia na direção correta.

Foi então que, depois de começar uma terrível crise em meu relacionamento, perder 7 kg e parar de enxergar a beleza da vida, recebi um convite insistente da minha irmã mais nova para participar de um retiro chamado “Reencontro”, organizado pelo Ministério Cristo Libertador. Aquela que eu cuidei desde pequena, ensinando e corrigindo enquanto minha mãe trabalhava, estava agora tentando me mostrar que eu precisava mudar o rumo da minha vida.

Aceitei o convite, fiz o retiro e vivi o reencontro com esse Amor maravilhoso, me apaixonando novamente pelo Senhor. Em um dos momentos do retiro assumi um compromisso, dizendo que eu queria seguir o caminho de Deus, independente das escolhas que tivesse que tomar. Deus, a partir do meu sim, começa a me mostrar de forma clara o que eu deveria fazer. Em mais ou menos 15 dias depois do retiro, terminei meu relacionamento e comecei a reconstruir meus vínculos com Deus e achar meu lugar na Igreja.

Dessa vez, não quis apenas criar bons amigos, ter um “serviço” dentro da Igreja ou ocupar meu tempo com as “coisas” de Deus. Comecei a viver um maravilhoso crescimento espiritual, um aprofundamento e amadurecimento da minha fé e da minha intimidade com Deus. Percebi que era necessário que muitas coisas dentro da Bruna morressem para que a voz de Deus ressurgisse e eu pudesse entender para onde seguir.

Depois de um tempo, comecei a namorar meu esposo e começamos um caminho de crescimento mútuo, aprendendo os valores da verdade e do respeito a cada individualidade.

O ano de 2015 está sendo um ano de mudanças grandiosas em minha vida. Foi nesse ano que me casei, assumindo o compromisso do matrimônio perante a Igreja, e também assumi meus vínculos com a Comunidade de Aliança Cristo Libertador.

Hoje, com a vivência comunitária, percebo que minha missão e meu chamado não podem ser tão pequenos a ponto de se resumir a uma carreira profissional bem-sucedida ou até se resumir a fazer “coisas” para Deus. Hoje, sou chamada a buscar o melhor de mim dentro da vontade de Deus, alegremente mortificar minhas misérias, me apaixonar por Deus a cada dia e transmitir essa experiência a mais pessoas.

Com certeza ainda tenho muito a crescer e discernir perante a Sua vontade, mas com certeza a Bruna não poderia ser melhor se não tivesse se Reencontrado com Aquele que é MUITO MELHOR.