Por – Guilherme Maggio

 

A paz do Cristo Libertador, e que Ele abençoe a vocês leitores.

Esta semana vamos falar sobre o pecado da AVAREZA. Esta mazela, ou demônio, ataca a área de nossa alma que cuida dos desejos, e pode ser confundido com a COBIÇA, na verdade o avarento o é, porque também é alguém que cobiça desordenadamente. Geralmente os dois pecados caminham juntos!

Avareza é um substantivo feminino que significa apego demasiado e sórdido ao dinheiro. É o desejo ardente de acumular riqueza.

Avareza é a falta de generosidade é a mesquinhez, a sovinice, a insignificância e miserabilidade.

Fonte: https://www.significados.com.br/avareza/

Cobiça é um substantivo feminino que designa o desejo ardente de possuir ou conseguir alguma coisa. Desejo imoderado de bens, riquezas ou honras; ambição, avidez, concupiscência.

Bom, apenas pela definição concluímos que geralmente quem padece de um dos dois males, padece do outro, afinal eles são muito próximos, eu diria irmãos.

 

Mas neste texto não quero falar de miguelagem de dinheiro, ou de comida, quero falar de RESERVAS, AUTO-PRESERVAÇÃO! Como assim? Simples. Nós ficamos presos às definições dos pecados e muitas vezes achamos que já o superamos, quando na verdade eles só migraram de área.

 

Damos esmolas, ofertamos, até partilhamos o que temos, mas economizamos nosso esforço, seja ela físico ou mental. Sabe quando você não se oferece para uma missão, porque está cansado demais? Sabe quando se dá este ou aquele direito, de quebrar o jejum, ou de não orar por exemplo? Então, avalie bem, porque talvez o motivo não seja o cansaço, talvez seja um misto de preguiça e de avareza, afinal de contas só você sempre faz tudo, e todos merecemos descanso, ou então devemos nos guardar afinal amanhã posso ter uma grande missão e estar cansado demais para ela. CUIDADO COM A AUTOPIEDADE!

Autopreservação é um substantivo feminino que indica proteção contra a destruição ou lesão de si mesmo; tendência natural ou instintiva para agir em função de preservar a própria existência. Veja que mais uma vez pela definição estamos diante de algo bom, que quase poderíamos chamar de prudência. Porém que pode estar adoecido e virar a causa da minha e da sua condenação. QUERIDO, OS SANTOS NÃO SE PRESERVARAM… ELES SE GASTARAM… Não tinha neles a avareza maldita da autopreservação adoecida.

O que seria de nós, se Jesus não assumisse a cruz, ou Maria não desse o seu SIM, ou José não assumisse sua esposa, ou se alguns dos profetas tivessem se ECONOMIZADO para guardar suas próprias vidas. Vejam que o avarento, que se AUTOPRESERVA demais, peca contra a fortaleza E CONTRA A CARIDADE, pois valoriza o seu umbigo, ao invés de olhar para o umbigo alheio. Fecho com a PALAVRA DE NOSSO DEUS, QUEM TEM OUVIDOS OUÇA!

“Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado. E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, E não desmaies quando por ele fores repreendido; Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija?”
Hebreus 12, 3-7

Fogo de Elias.